Sete causas do zumbido no ouvido

13 de fevereiro de 2016 at 6:00

O zumbido no ouvido é um barulho incômodo que uma pessoa escuta sem a existência de uma fonte sonora. De acordo com a Associação Americana de Zumbido (ATA, na sigla em inglês), 20% das pessoas convivem com o problema. Entre os idosos acima dos 70 anos, a incidência é de 25%.

Há zumbido agudos e graves, semelhantes a barulhos como apito, chiado, cachoeira, panela de pressão, motor e grilo. O incômodo é comum depois que um indivíduo frequenta ambientes ruidosos, como festas e shows, que podem destruir as células do ouvido. Caso o ruído permaneça no dia seguinte ao evento, é preciso procurar um médico. “O zumbido costuma ser consequência da perda de audição. Ele é uma tentativa do sistema responsável pela audição em compensar a falta do estímulo que deveria estar presente”, explica Rinaldo Lopes de Melo, otorrinolaringologista do Hospital Norte D’Or, no Rio de Janeiro.

Causas - Além da perda de audição, doenças neurológicas, acúmulo de cera no ouvido, depressão e dieta inadequada estão entre as causas do problema. No caso dos fatores fisiológicos, a sensação é desencadeada por falhas na vascularização do ouvido. Com a passagem sanguínea insuficiente, as células têm menos oferta de oxigênio e não conseguem se nutrir adequadamente, o que prejudica o metabolismo da região. Já a depressão altera os neurotransmissores responsáveis pela audição.

Outra causa é o uso excessivo de medicamentos como ácido acetilsalicílico, anti-inflamatórios e antibióticos. “Essas drogas podem prejudicar a irrigação sanguínea na orelha interna ao promover a vasoconstrição ou modificar a oferta de nutrientes para as células da região ao alterar o metabolismo de carboidratos e lipídeos”, explica Estelita Betti, otorrinolaringologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Tratamento - De acordo com Lopes de Melo, não existe um único tratamento eficaz para todos os tipos de zumbido. “Algumas medidas diminuem e eliminam o problema. O sucesso do tratamento depende das causas do zumbido e da resposta individual”, diz Lopes de Melo.

8 sinais de que você pode estar com depressão

11 de fevereiro de 2016 at 14:07

 

A depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e é mais prevalente entre mulheres. No Brasil, cerca de uma em cada dez pessoas sofre com o problema. Embora seja uma doença comum, a moléstia carrega estigmas que dificultam seu diagnóstico precoce e a adesão ao tratamento adequado.

O primeiro deles está no fato de a depressão ser um transtorno mental. “Percebemos que o preconceito com as doenças mentais faz com que muitos pacientes, principalmente os homens, demorem a aceitar que têm o problema e a procurar um médico, atrasando o tratamento”, diz Rodrigo Martins Leite, psiquiatra e coordenador dos ambulatórios do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

Limite - Além do preconceito com os transtornos mentais, a dificuldade de interpretar os sintomas faz com que uma pessoa demore a procurar ajuda. Os sinais podem ser confundidos com sentimentos naturais do ser humano, como tristeza, indiferença e desânimo. Esses sentimentos passam a configurar um quadro de depressão clínica quando a variação do humor começa a afetar negativamente vários aspectos da vida do paciente – da produtividade no trabalho e nos estudos às relações com outros indivíduos, passando pela qualidade do sono e a disposição física para realizar as atividades do dia a dia.

“Muitas vezes é difícil diferenciar a tristeza comum da depressão. O humor das pessoas nunca é constante, sempre vai existir uma variação. Uma situação negativa pode desencadear tristeza, luto. Isso é diferente da depressão clínica, que é uma síndrome que vem acompanhada por outros sintomas”, explica Mara Fonseca Maranhão, psiquiatra da Unifesp e do Hospital Albert Einstein.

Definição - Os critérios atuais para diagnóstico da depressão – estipulados por entidades médicas como a OMS e a Associação Americana de Psiquiatria – determinam que, para ser detectada com a doença, uma pessoa deve apresentar ao menos cinco sintomas do transtorno. Entre eles, um deve ser obrigatoriamente o humor deprimido (tristeza, desânimo e pensamentos negativos) ou a perda de interesse por coisas que antes eram prazerosas ao paciente. Os outros sintomas podem incluir alterações no sono, no apetite ou no peso, cansaço e falta de concentração, por exemplo.

Segundo o psiquiatra Rodrigo Leite, os critérios dizem que esse conjunto de sintomas deve ser apresentado pelo paciente na maior parte do dia, todos os dias e durante pelo menos duas semanas para que seja considerado como sinais de depressão. Por isso, estar atento a sintomas como esses – e a duração deles – é importante para que uma pessoa procure um médico e saiba se precisa ser submetida a um tratamento.

Doença do corpo - As causas exatas que levam à depressão ainda não são completamente conhecidas. “Sabe-se que situações como problemas financeiros ou conjugais, desemprego e perda de um ente querido alteram estruturas cerebrais que são sensíveis a hormônios relacionados ao stress, especialmente ao cortisol. Com isso, há um desequilíbrio no cérebro que desencadeia os sintomas depressivos”, explica Leite.

Apesar disso, a depressão não é uma doença apenas do cérebro – e levar esse fato em consideração é essencial para o sucesso do tratamento. “As pessoas precisam saber que, diferentemente do que se pensava antes, a depressão não afeta apenas o cérebro, e o tratamento não depende exclusivamente de antidepressivos. Hoje, sabemos que essa é uma doença de todo o organismo”, diz Rodrigo Leite.

De acordo com o psiquiatra, cada vez mais a ciência mostra que a doença está relacionada a problemas como baixa imunidade, alterações dos batimentos cardíacos e acúmulo de placas de gordura no sangue. Ou seja, a depressão é também um fator de risco a doenças como as cardíacas, incluindo infarto e aterosclerose. “Ainda não está claro de que forma a depressão leva a essas condições, mas sabemos que a relação existe”, diz Leite.

Por esse motivo, o tratamento da depressão não deve incluir apenas antidepressivos. “Pessoas com depressão também precisam evitar hábitos como sedentarismo, tabagismo e má alimentação, que predispõem mais ainda uma pessoa a doenças cardiovasculares. Os pacientes devem saber que mudar esses hábitos é tão importante no tratamento quando os medicamentos.”

Os psiquiatras alertam que as pessoas, assim que notarem que apresentam sintomas depressivos – e que eles são duradouros -, devem consultar um médico. “O tratamento contra a depressão com antidepressivos, psicoterapia e mudanças de estilo de vida é eficaz, principalmente se for iniciado precocemente”, diz Mara Maranhão.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/8-sinais-de-que-voce-pode-estar-com-depressao

 

Ansiedade no esporte

12 de janeiro de 2016 at 4:57

EU NÃO CONSIGO…
ESTOU A HORAS DA MAIOR PARTIDA DE TÊNIS DA MINHA VIDA, CONTRA FEDERER, COM UMA CHANCE DE OBTER O MEU MELHOR RESULTADO ATÉ HOJE… [...] E EU NÃO CONSIGO. É INÍCIO DA TARDE, ESTOU NO CARRO, NO CAMINHO PARA A QUADRA. E EU ESTOU TENDO UM ATAQUE DE ANSIEDADE.”

Apagão mental

Esse é apenas o começo do depoimento dado pelo norte-americano Mardy Fish, ex-top 10 do ranking profissional de tênis, ao site “The Players Tribune” sobre o seu sofrimento com a ansiedade. Até pouco tempo, o drama de Fish poderia ser interpretado como covardia. Mas essa seria uma resposta simplista para um fenômeno como a ansiedade.

Mardy-Fish-006

Subestimado por décadas, esse transtorno mental pode inviabilizar a vida social e a profissional, mas poucas pessoas buscam tratamento para aliviar os sintomas antes que cheguem ao limite. Segundo a Previdência Social, os transtornos mentais já são a terceira razão de afastamentos do trabalho no Brasil, sendo que os gastos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) giram em torno de R$ 200 milhões em pagamentos de benefícios anuais, dado que reforça a importância de se criar medidas de prevenção. Nesse contexto, a ansiedade, assim como a depressão, são os males que mais afetam as pessoas.

CERCA DE 33% DA POPULAÇÃO MUNDIAL SOFRE DE ANSIEDADE

O caso de Fish é um exemplo de descontrole frente a um ataque de ansiedade descrito como “crise de performance”, que acomete a muitos atletas em competições – eles dizem sentir uma espécie de “apagão” mental. É razoável desconfiar, tomando por base a história e a reação do tenista, que esse mal-estar tenha sua origem anos antes, e que a decisão contra Federer provocou um ápice de ansiedade não apenas pela alta expectativa em relação àquela partida, mas também sobre toda uma carreira, até vida, dedicada ao tênis.

A ansiedade e as crises de pânico que o tenista relatou o impediram de fazer um trabalho que dominava como poucos, independentemente do quanto tenha treinado e se preparado para aquele momento. Fish conta que se desesperou ao ter que lidar com as variáveis que o aguardavam naquela partida.

Admite que o risco de perder o fez sentir medo. Medo de não ser bom o suficiente, de se frustrar, de decepcionar seus familiares… No entanto, a razão pela qual o cérebro dele funciona dessa maneira ainda é um enigma. Como “consolo” para Fish, ele tem a companhia de um terço das pessoas no mundo – é esse o percentual da população que sofre de ansiedade, segundo o psiquiatra inglês Daniel Freeman, autor de o livro “Ansiedade – O que é, os principais transtornos e como tratar”.

O nosso atendimento é especializado no transtorno da ansiedade, com um abordagem diferenciada e visando a melhora da condição clinica do paciente.

 

 

Tratamento para ansiedade generalizada

26 de novembro de 2015 at 1:45

Quantas vezes você já se sentiu mal diante de situações que lhe provocavam medo,expectativa ou incerteza? As reações de ansiedade se manifestam nos momentos que antecedem eventos como: uma entrevista de emprego, o nascimento de um filho, uma cirurgia difícil, dentre outros. Nessas situações, a ansiedade aparece sinalizando que há um desafio a ser enfrentado, o que para muitas pessoas pode ser uma catástrofe iminente.

viva sem ansiedade

Conforme o Dr. Marcelo Maroni, médico psiquiatra na cidade de Curitiba, a ansiedade é caracterizada pela precipitação de situações e pensamentos descontrolados, sempre associados a algum mal que possa ocorrer. A atual crise financeira do Brasil tem desencadeado milhares de casos de ansiedade, em função da preocupação dos brasileiros em manter os seus empregos e pagar suas dívidas.

 

Quando um quadro de preocupação excessiva ou apreensão se instala, a pessoa deve procurar ajuda médica.Os sintomas mais comuns são: inquietação, irritabilidade, fadiga, tensão muscular, taquicardia, falta de ar, sudorese, dificuldade de concentração e aumento da pressão arterial. Conforme o Dr. Marcelo Maroni Saraiva, a ansiedade tem causas multifatoriais, como traumas atuais ou passados, estresse, a maneira como a pessoa foi educada pelos pais e até mesmo doenças orgânicas como a hipertensão, por exemplo. ”

ansiedade prejudica a vida

É importante deixar claro que geralmente o nível de ansiedade não é proporcional as situaçõesque geraram o transtorno. A ansiedadecausa um grande sofrimento e prejudicaa vida profissional e pessoal de uma pessoa.Ela atinge homens, mulheres, idosos e crianças, ou seja, todas as faixas etárias.

Tratamento da ansiedade

Épreciso definir o tipo de ansiedadepara determinar um tratamento mais específico, pode ser TOC, fobia social ou síndrome do pânico, por exemplo. O foco principal está em controlar os sintomas para proporcionar melhor qualidade de vidapara a pessoa. Segundoo Dr. Marcelo Maroni, o tratamento apropriado pode ser desde medicamentos,até hipnose e terapia.

Dicas para controlar a ansiedade

- Praticar exercícios físicos e atividades de relaxamento.

- Ter uma boa alimentação e boas noites de sono.

Considerações finais

“A ansiedade causa consequências graves em relacionamentos sociais e profissionais, bem como para a saúde mental e física. A ansiedade é um empecilho na vida de muita gente, pois interfere na realização de vários desejos. É fundamental entender o que o corpo está transmitindo, destaca o Dr. Marcelo Maroni, médico psiquiatra na cidade de Curitiba”.

Tipos de ansiedade

17 de novembro de 2015 at 1:29

A OMS (Organização Mundial da Saúde) publicou um relatório sobre anos perdidos por produtividade por causa de doenças a ansiedade figura no topo da lista, a doença sozinha responde por 27 milhões de anos perdidos pelas pessoas que sofrem da doença, esse tempo é estimado de acordo com o período que as pessoas deixaram de produzir por causa da doença.

ansiedade social

Nas capitais brasileiras cerca de 20% da população sofre de ansiedade e muitas não se tratam por não entenderem a doença, alguns acham que é normal e convivem com o mal estar constantemente. Infelizmente por falta de informação a qualidade e expectativa de vida dessas pessoas é significativamente reduzida.

A ansiedade é responsável por milhares de doenças, como problemas do coração, AVC e outras patologias, o seu tratamento melhora a qualidade de vida e ajuda o individuo a levar uma vida normal.

viva sem ansiedade

Listamos abaixo os tipos de ansiedade

Conheça os vários tipos de ansiedade

Ansiedade patológica: sem nenhum tipo de estímulo, o indivíduo sente uma preocupação excessiva.Assim acontece um desequilíbrio das substâncias químicas do cérebro desencadeando uma crise de ansiedade.

Transtorno Fóbico-Ansioso: é quando a pessoa manifesta uma sensação de medo intenso por um acontecimento que não apresenta nenhum tipo de perigo.

Fobias sociais: trata-se do medo de se expor em público e sentir-se observado ou criticado por pessoas sem nenhuma justificativa aparente.

Fobias específicas: são os medos em excesso que causam uma reação maior do que o normal para aquela situação.

Transtorno Obsessivo Compulsivo:conhecido como TOC, é quando o indivíduo tem ideias, imagens e pensamentos que invadem a consciência, como dúvidas que sempre voltam na mente sobre algo já feito, como apagar a luz, chavear a porta, dentre outros.

ansiedade no trabalho

Transtorno de Estresse Pós-Traumático: ele surge após um acontecimento muito grave, fazendo o indivíduo ter medo de situações parecidas com o ocorrido, mesmo que elas sejam comuns do dia a dia.

Transtorno de Pânico: nele está envolvido a ansiedade e o medo, mas pode ser gerado por sintomas físicos, em crises que chegam a durar 10 minutos.

Transtorno de Ansiedade Generalizada: é quando o indivíduo está em situação de preocupação e ansiedade em excesso sobre muitos assuntos da vida em geral. Assim, desenvolve certa irritação, fadiga, depressão e pouca concentração.

Sintomas físicos da ansiedade:

Aceleração dos batimentos cardíacos, secura na boca, cansaço, respiração superficial, inquietação, náuseas, dificuldade de engolir, vertigem, tonturas, mãos suadas, calafrios, tensão ou dores musculares, transpiração mesmo sem sentir calor, espasmos musculares, urinar frequentemente, diarréia, entre outros.

Sintomas cognitivos:

Tensão, excitação, pensamentos contínuos de que algo terrível está para ocorrer, pensamentos constantes de perigo, falta de concentração, inaptidão para lidar com problemas, irritabilidade, dificuldades para dormir, preocupação constante, entre outros.

Causas da Ansiedade

Ela é impulsionada por conflitos internos e ocorrências externas, de natureza psicológica e biológica, porém essa doença é multifatorial, ou seja, não há um único motivo para o seu surgimento.

Tratamento

Caso você tenha se identificado com os sintomas da ansiedade procure um médico psiquiatra para avaliar sua situação. Geralmente o tratamento se baseia em psicoterapia e medicamentos. Tratando a causa da ansiedade é possívelresolver os conflitos psicológicos causadores da doença.

 

estresse e seu coração, sintomas, causas e tratamento

10 de novembro de 2015 at 3:18

 

O estresse é um problema que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Mas você sabia que ele pode impactar sua saúde cardíaca? De acordo com pesquisas o estresse afeta o coração. O que ocorre é que o estresse libera um hormônio chamado de adrenalina, fazendo com que seu coração responda imediatamente. Assim, o estresse desencadeia uma série de consequências negativas para a sua saúde.

dor no peito

Primeiro, ocorre um fato, uma situação estressante que geralmente é perturbadora, mas não é prejudicial. O corpo reage a ela pela liberação de adrenalina, que faz com que a sua respiração e a frequência cardíaca acelerem e a pressão arterial suba. Essas reações físicas acontecem para preparar a pessoa para lidar com a situação, seja enfrentando ou fugindo dela.

O estresse afeta o coração e pode levar a outras doenças

O Médico psiquiatra Dr. Marcelo Maroni Saraiva explica que “O estresse afeta o coração por diversos motivos, em parte por conta dos fatores fisiológicos como liberação de hormônios, alteração no batimento cardíaco e elevação da pressão arterial e também pelo comportamento do individuo, falta de sono, uso de bebidas alcoólicas, tabagismo e a alimentação inadequada. Se processo do estresse é muito longo a pessoa fica exposta a todos esses fatores em conjunto durante este tempo, por este motivo é fundamental o tratamento do estresse em todos os seus níveis”.

stresse no transito

 

As causas exatas da hipertensão são desconhecidas, mas alguns fatores contribuem para isso.

Por exemplo: excesso de peso, alimentação com muito sal, falta de atividades físicas e consumo de álcool em excesso. O estresse crônico ainda pode enfraquecer o sistema imunológico e causar sintomas físicos desconfortáveis, como dor de cabeça e problemas de estômago.

Doenças causadas pelo estresse

- Transtornos alimentares

- Depressão

- Ansiedade generalizada

- Doenças cardiovasculares

- Síndrome do Cólon Irritável

- Prisão de ventre

É importante compreender que o stress é uma ferramenta natural do organismo baseado no sistema de luta ou fuga, o problema é que devido à vida agitada que temos, as situações estressantes se repetem durante todo o dia e nosso organismo fica constantemente em prontidão para reagir, e é esse processo físico que prejudica nosso corpo. Levando ao aparecimento de diversas doenças que foram citadas acima.

excesso de comida

Existem situações que o estresse está tão elevado que somente respirar fundo não será suficiente para controlá-lo e os sintomas físicos podem ser muito fortes, desmaios, tontura, pânico etc. Nestes casos se faz necessário uma ajuda médica especializada para que o quadro do paciente se estabilize, depois o individuo precisa identificar os fatores que o levam ao estresse e aprender a lidar, melhorar sua qualidade de vida e amenizar ao longo do tempo os efeitos do estresse.

falta de sono

“Uma dose de estresse se faz necessário em alguns momentos, mas quando passa a interferir de maneira negativa na vida do indivíduo, deve ser tratado para não causar outros males”, ressalta o Dr.Marcelo Maroni Saraiva.

 

O Dr. Marcelo Maroni Saraiva é especializado no tratamento do estresse e da ansiedade

 

Agende sua consulta pelo: (41) 3606-4226

Raiva constante aumenta o risco de morte precoce

29 de outubro de 2015 at 3:11

Você é daqueles considerado pavio curto? Que fica irritado e com raiva facilmente?

Bom a ciência tem uma péssima noticia para você…

Um estudo identificou que homens que ficam irritados com freqüência tem mais risco de morrer prematuramente.

raiva constante

O estudo apontou que os homens que ficam com raiva com freqüência tem 1,7 vezes mais chances de morrer prematuramente do que homens com temperamento mais calmo. O estudo foi publicado na revista cientifica Social Science & Medicine, e foi realizado por pesquisados da universidade de estadual de IOWA, nos Estado Unidos.

O estudo acompanhou durante 40 anos 1307 homens, os níveis de raiva foram mensurados e cruzados com outros dados dos pesquisados, o grupo que possui mais raiva teve os dados relacionados com morte prematura.

Mesmo com outros fatores que afetam a mortalidade, como renda, estado civil e tabagismo mantiveram os índices iguais, ou seja, outros fatores que poderiam reduzir a mortalidade não foram suficientes para alterar este quadro naqueles homens com raiva freqüente.

O sentimento de raiva pode estar relacionado com ansiedade ou stress, por isso é importante ajuda profissional para conseguir identificar o motivo da raiva constante e qual a melhor forma de tratar explica o Dr. Marcelo Maroni Saraiva.

Outro indicador interessante é que os traços de personalidade que também protegem a pessoa da morte prematura, como a capacidade cognitiva não foram capazes de reduzir o risco de morte prematura para os mais irritados.

Pavio curto

Então antes de ficar irritado ou com raiva lembre-se do estudo e repense suas atitudes.

Em alguns momentos no entanto isso é muito difícil, por isso procurar um profissional para auxiliar nesse processo é de sua importância.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/sentir-raiva-constantemente-aumenta-o-risco-de-morte-precoce

 

Como a ansiedade prejudica seu trabalho

19 de outubro de 2015 at 3:32

Assim como em outras áreas da vida – relacionamento familiar, social e estudos –, é possível admitir que a ansiedade prejudica seu trabalho.

Para se ter uma ideia, cerca de 12% da população do Brasil sofre com esse problema. A ansiedade é vista, hoje, como um dos males do século.

Mesmo que seja uma reação normal do organismo do indivíduo, a ansiedade pode se tornar um transtorno grave e afetar profundamente a qualidade de vida.

O que causa a ansiedade e quais são seus sintomas? Como a ansiedade prejudica seu trabalho? Quais são os aspectos relacionados ao trabalho que são afetados pela ansiedade?

 

ansiedade no trabalho

ansiedade no trabalho

Ansiedade: causas e seus sintomas

 

A ansiedade pode acontecer por razão biológica ou comportamental. A ciência fez um estudo apontando a relação entre a noradrenalina e a ansiedade, sendo que as pessoas que não possuem uma produção regular de noradrenalina têm mais propensão a sentir ansiedade e medo.

De acordo com o Dr. Marcelo Maroni Saraiva, a causa da ansiedade “é multifatorial, ou seja, estresse, traumas de vida, experiências traumáticas pregressas ou atuais, forma como as pessoas foram criadas pelos seus pais e até mesmo doenças orgânicas como hipertensão e hipertireoidismo, por exemplo, pode levar o indivíduo a sofrer de ansiedade.”

Precisamos estar cientes de que a ansiedade é algo extremamente normal, por isso, algumas pessoas ficam nervosas antes de apresentações em público ou ainda em uma entrevista de emprego.

Existem uma gama de sintomas físicos e mentais que a ansiedade provoca no organismo, vamos ver quais são:

- Sintomas físicos:

O Dr. Marcelo Maroni aponta como os sintomas físicos mais comuns: a falta de ar, palpitações e desconforto torácico. Outros podem ser notados:

  • Sudorese,
  • Formigamento nos pés e mãos,
  • Tremores,
  • Reflexos rápidos ou com resposta exagerada,
  • Retenção ou maior frequência urinária,
  • Diarreia,
  • Insônia,
  • Tonturas e sensações de desmaio.

- Sintomas mentais:

  • Irritabilidade,
  • Vergonha,
  • Consciência de estar-se em uma situação nervosa ou de medo,
  • Pensamentos negativos,
  • Descontrole de pensamentos,
  • Dificuldades de concentração,
  • Dificuldade de relaxar
  • Nervosismo.

O Dr. Marcelo Maroni chama de ansiedade generalizada quando “(…) uma sensação dos mesmos sintomas (…) duram por todo o dia e geralmente vêm acompanhados de uma sensação de catástrofe iminente.”

 

Como a ansiedade prejudica seu trabalho?

Ansiedade prejudica o trabalho

Ansiedade prejudica o trabalho

 

Segundo com o Dr. Marcelo Maroni, o que mais caracteriza a ansiedade é “uma precipitação de pensamentos desordenados e descontrolados, invasivos, sempre relacionados a algo ruim que possa acontecer.”

A ansiedade pode trazer consequências sérias em relação ao desenvolvimento profissional. Crescer na carreira é uma meta que a grande parte das pessoas anseia, assim como alcançar oportunidades.

O crescimento profissional é conquistado a longo prazo e ter plena consciência desse ponto é o primeiro passo para conter a ansiedade.

Todo o cuidado voltado para a ansiedade no ambiente de trabalho deve ser levado a sério. Perder o controle emocional é permitir que outras doenças acometam o organismo, tais como hipertensão e gastrite.

Desse modo, sua saúde e qualidade de vida são prejudicados consideravelmente.

E em carreiras já consolidadas? Como a ansiedade ataca?

A ansiedade no trabalho pode estar voltada para alvos:

  • Metas,
  • Próprio desempenho,
  • Relações entre colegas,
  • Promoções verticais e horizontais,
  • Relações com os superiores.

Desses alvos, criamos a ansiedade através de pensamentos sobre intolerância de erros de nossa parte ou também quando nos cobramos de forma excessiva.

A ansiedade em excesso é o destaque no ambiente de trabalho. É ela que prejudicará e comprometerá o seu futuro e sua imagem profissional.

A ansiedade também pode ser característica da personalidade do indivíduo, é claro, devido às experiências do passado, que formam uma personalidade ansiosa e se torna uma característica pessoal.

controle sua ansiedade

controle sua ansiedade

Essa característica pessoal atrapalha o desempenho funcional, pois compromete o psicológico. Uma pessoa com problemas de ansiedade no trabalho não terá capacidade de:

  • Tomar decisões,
  • Se tomar decisões, provavelmente, será errada,
  • Relacionar-se com os colegas,
  • Analisar informações criteriosamente, ou seja, avaliará de forma ligeira e errônea,
  • Evitar discussões desnecessárias com os colegas de trabalho. A pessoa ansiosa não terá paciência e consciência das situações, buscar alternativas e por isso criará conflitos dispensáveis,
  • Conseguir cargos mais altos, como os de gerência, graças ao seu temperamento pouco confiável,
  • Realizar metas e objetivos mais claramente.

Você quer saber como tratar a ansiedade?

 

Tratamento é importante

 

Em um contexto geral, a ansiedade ocasiona graves consequências nos relacionamentos sociais e profissionais, assim como para a saúde de nossa mente e corpo.

Por isso, o tratamento é voltado para conter os sintomas e melhorar a qualidade de vida da pessoa, sendo que, o tratamento adequado, de acordo com o Dr. Marcelo Maroni é “desde a medicação, hipnose e terapia.

A ansiedade, por fim, é um obstáculo para a realização de todos nossos desejos. Não deixe de entender o que seu corpo está lhe transmitindo.

 

 

Estresse tem solução

1 de outubro de 2015 at 5:16

O estresse, hoje, é comumente expressado como um momento ruim o qual passamos, recheado de pensamentos, sentimentos e cansaço físico e mental.

Mas não só isso: o estresse, em nossa realidade atual, é um mal de proporções significativas, onde cerca de 90% da população ao redor do mundo sofre com esse problema, enquanto que no Brasil ultrapassa os 70%.

Para quem tem dúvidas, o Dr. Marcelo Maroni Saraiva explica que o “estresse é uma resposta do organismo a um evento externo, que pode ser de duração curta, poucas horas ou dias, ou mais crônica, semanas ou meses.”

Mas o que ocasiona o estresse? Quais são os sintomas físicos e mentais? Saiba que o estresse tem solução, e vamos ver isso hoje.

 

Estressores

stress tem solução 

Segundo o Dr. Marcelo Maroni, o “estresse pode ser definido como (a) a soma de respostas físicas e mentais causadas por determinados estímulos externos (estressores) e que permitem ao indivíduo (humano ou animal) superar determinadas exigências do meio ambiente e (b) o desgaste físico e mental causado por esse processo.”

Mas o que pode causar esse desgaste físico e mental, mas que ao mesmo tempo é um mecanismo de defesa do próprio organismo pelas mudanças?

O Dr. Marcelo Maroni destaca que “o estresse pode ser causado por uma brusca mudança no estilo de vida e a exposição a um determinado ambiente, que leva a pessoa a sentir um determinado tipo de angústia.”

Os estressores podem ser classificados em diferentes tipos:

  • Estressor de acontecimentos biográficos críticos: são eventos tanto positivos como negativos, que podem estar relacionados com exigência social. Esses eventos são fáceis de localizar no tempo e no espaço. Exemplos são: o casamento, morte súbita de uma pessoa, acidentes, entre outros.
  • Estressor cotidiano: são eventos presentes no dia a dia, que afetam o bem-estar da pessoa e se tornam experiências frustrantes, ameaçadoras ou até como perdas. Exemplos são: problemas com aparência física (peso, por exemplo), aborrecimentos diários (problemas financeiros, problemas no trabalho, entre outros).
  • Estressor crônico: são causas que duram por um período muito mais longo e aborda experiências repetidas e crônicas de estresse ou situações que possuem começo e fim, mas com consequências que perduram.

Exemplos são: problemas devido ao divórcio e desemprego.

  • Estressor traumático: são os eventos que possuem uma enorme intensidade e que podem atrapalhar a capacidade de adaptação da pessoa.

De acordo com o Dr. Marcelo Maroni, o “estresse, apesar de ser um agressor externo, ocasiona, no entanto, problemas de ordem física e emocional, de acordo com as características do indivíduo e da intensidade do agente considerado como estressor.”

 

Sintomas do estresse

 

Pessoas com estresse podem não dar a atenção necessária aos sintomas e sinais que começam a acometer o corpo.

Ignorar esses sinais é permitir que, em uma hora determinada, o organismo entrará em colapso. O que esse colapso quer dizer? Ele deixará o corpo mais vulnerável a doenças e enfermidades, podendo ter consequências severas e irreversíveis.

Os sintomas do estresse podem ser classificados em físicos e mentais, pois ambos são prejudicados por esse mal. Conheça todos eles aqui.

 

Onde está a solução do estresse?

dicas-para-viver-sem-stresse-3-size-3 

Solucionar o estresse é um programa de longo prazo, pois, como nossos mecanismos de defesa não estão respondendo de forma correta, é importante manter-se comprometido por um tempo mais longo, mas que trará benefícios para a condição de estresse.

Não é dispensável o tratamento clínico, com o auxílio médico. Na verdade, ele deve ser visto como importante, pois o estresse á algo insuportável, principalmente se não for levado a sério.

O tratamento encaminhado por um psiquiatra é voltado para lidar com o problema da melhor forma possível, através de medicação, trazendo melhorias na qualidade de vida.

Visto como um complemento, existem várias ações que podem ser tomadas para lidar com o estresse, consideradas terapias alternativas e que podem ser feitas tranquilamente, em um período do dia. Vamos ver alguns exemplos:

  • Cuidar da alimentação. A história que o que ingerimos interfere em nossa vida é real, não é uma brincadeira. Se tratando de estresse, há vários alimentos que possuem propriedades calmantes, de bem-estar e melhoria de humor. Incluí-los na dieta pode auxiliar e controlar o estresse diário.
  • Fazer acupuntura: técnica oriental excelente para o estresse físico e mental.
  • Faça algo que você goste: procure atribuir atividades que lhe tragam ânimo em horários livres do seu dia. Leia um livro, faça algum curso inusitado, faça atividades voluntárias. Deixe sua mente leve.
  • Assim como fazer algo que você gosta, procure deixar um tempo apenas para você: medite ou faça yoga. São duas técnicas que promovem o relaxamento corporal e mental, tudo através da respiração.
  • Durma! Dormir é essencial para o organismo se recuperar do que passou durante o dia.

E não poderia ficar de fora: pratique exercícios físicos! Não só para prevenção de doenças, mas para aliviar o estresse, é um item valioso para ser aplicado.

O estresse – assim como a depressão e a ansiedade – precisa de tratamento e cuidados. Não negligencie a assistência médica e o que o seu corpo está transmitindo.

 

 

 

Sintomas da depressão e ansiedade

18 de setembro de 2015 at 3:59

 

Muitas pessoas acreditam que a depressão e ansiedade são extremamente parecidas, ou ainda extremamente diferentes.

A questão é que seus sintomas são semelhantes, mas é interessante apontar que pessoas com transtorno de ansiedade têm mais de 20% de chance de passar para um quadro de depressão, enquanto que pessoas com depressão têm apenas 2% de chance de passar para a ansiedade.

O diagnóstico correto desses dois distúrbios emocionais deve ser feito por um especialista qualificado, geralmente um psiquiatra.

Quais são as causas da depressão e da ansiedade? Quais são os sintomas de ambos? E como deve ser feito o tratamento?